sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Se anjos existem, eu conheci um anjo.



 A lua não estava cheia e as estrelas enfeitavam e dançavam no céu escuro e profundo, enquanto sentiam um coração vazio a pairar sobre a Terra...
 - Por que é difícil pra todo mundo ficar apenas perto de mim, um segundo? Por que tem que todo mundo ir embora? Por que muitos chegam, mas poucos permanecem ? A culpa é dos meus olhos por não brilharem como deveriam? Ou será desse meu cabelo mal cortado? Ou pode até ser do jeito estranho com que eu riu, e depois tento disfarçar, mas apenas queria que as pessoas ficassem, e que entendessem que quando eu não sou legal com elas, é pra elas se aproximarem e não irem .
 Entre lágrimas, um cabelo despenteado, uns arranhões nos braços pela dor que sentia dentro de si mesma, ela olhava em um espelho e dizia essas palavras para si mesma, se questionava e tentava entrar em um acordo qualquer com sua alma, para não se sentir culpada de ser tão sozinha.
 Com o costume de ouvir músicas e tentar achar um ombro amigo que ninguém lhe dava ela apertou o play e colocou o fone nos ouvidos. Entre uma ou outra vinham lágrimas como carga, e ela admirava o aperto que sentia no peito a cada nota daquela música, a cada palavra que descrevia o que ela sentia, era uma lágrima que escorria pela seu rosto vermelho de dor.
 A solidão se torna mais intensa quando vem de dentro, e era isso que se passava por aquela garota quando ela ouviu uma voz, uma voz que veio de onde havia dor, de onde vinha toda aquela tristeza, a voz que a fazia chorar e pensar no que não queria... E pela primeira vez, ela não se contorceu, não se arranhou, apenas ouviu.
- Oi querida, sei que não tá fácil aí , mas pra mim também não está nada fácil essa sua indecisão sobre tudo, essas suas lágrimas atoa, essas músicas a todo momento que só te fazem chorar e se sentir mal, ponha a mão em mim, eu não bato mais como antigamente, eu já estou velho de emoções, é saudade, ódio, arrependimento, solidão, raiva, angústia, e nada de amor, nada. Não quero te cobrar, mas apenas uma vez, seja feliz, me faça feliz, ou eu não vou aguentar, ou eu posso parar de bater, e a culpa não será minha, não poderão dizer que você parou de respirar por minha culpa, se é você quem não sente amor, se é você que só põe ódio dentro de mim, e me fecha, me abafa numa cápsula incontrolável e escura. Eu mal posso respirar aqui dentro, quanto mais bater. Mas é meu pouco amor que resta por você que me mantém vivo e feliz, pense nisso, alguma parte, dentro de você te ama e é feliz, não se sente bem por isso querida? Ora, se as pessoas não te dão o valor que você merece, é apenas porque elas não valem esse valor todo que você atribui a elas. E amigos a gente faz e desfaz, apenas não se apegue a eles, mas se apegue a mim, porque eu te amo mais que você mesma. Eu realmente quero seu bem, quero você feliz, sem cortes, sem dor, sem tristeza. Quero que liberte a mim e a você dessa escuridão presente em nossas vidas. Se não for por você, seja feliz por mim, seu coração, que tanto dói, que está apertado, que se cansou de dar nós na garganta para mandar algum sinal, e tive que chegar a esse extremo pra você me ouvir. Eu te amo, não destrua nós dois.
 Ela pausou a música, meio incrédula, aquilo aconteceu ou só sua imaginação fértil? Será que agora estava virando esquizofrênica ou algo do tipo? Conversas com seu próprio coração são bonitas em frases, mas não daquele jeito.
 E bem que ele tinha razão, se ela era descartável para alguns, por qual motivo eles também não poderiam ser para ela? Um pensamento bonito, mas nada fazia com que suas lágrimas cessassem, era como se uma cachoeira tivesse brotado em seus olhos, e agora nada importava mais, ela tinha a si mesma, e alguém que a amava ali dentro, não precisava de mundo exterior quando tinha tudo o que precisava dentro de si, ela seria feliz, consigo mesma, prometeu isso a si mesma, juntando um dedinho com o outro.
 Ela pegou um objeto pontiagudo, como uma agulha, mas bem maior, do tamanho de um cotonete e meio, fitou-o enquanto pegava uma blusa e a colocava entre os dentes.
 Com a agulha na mão e a blusa nos dentes, a pobre menina enfiou a agulha no ouvido, rodando-a, empurrando-a e voltando com ela para fora de novo, tudo isso enquanto sentia algum sintoma de bruxismo mordendo até doer, a blusa entre os dentes. Sangue escorria por uma orelha, escorria sem cessar, e a dor era imensa quando ela já estava prestes a perfurar o outro ouvido, pra se ver livre de todos os "eu te amo" cheios de mentiras, as promessas de amizade verdadeira que não duravam seis meses, as conversas vazias e cheias de segundas intenções, e tudo aquilo que se esconde em uma frase bem dita.
 Então ela parou, com as mãos ensanguentadas pegou o celular e havia uma mensagem, uma mensagem daquele falso amigo, que havia prometido amizade verdadeira e pra sempre, como todos fazem, e então depois foi embora e disse adeus. Uma mensagem do tipo, " como vai a vida?" , e ela apenas pensa, se ia perguntar depois, se ia se importar, por que saiu dela desse jeito? Por que apenas me abandonou e depois volta como se nada tivesse acontecido?
 Numa ira, ela joga o celular pela janela, põe as mãos na boca, e chora em soluços dolorosos em conjunto com seu ouvido surdo. Agora ela já não ouvia direito, ou terminava o serviço, ou ficava sendo uma idiota meio-surda. "Foda-se" ela disse, e a dor parecia ser seu prazer enquanto ela tornava a martelar o ouvido com aquele objeto, como se o limpasse, enquanto banhava tudo ao redor de sangue...
 "Só soube, porque ela deixou a webcam ligada, e um amigo de internet gravou. Ela achou que conversava com o coração, mas repetia a voz para si mesma, eu não achava que ela tivesse problema algum, eu só achei que era mais uma crise de adolescente. Vocês não sabem a dor de chegar em casa, e ver sua filha deitada na cama com dois ouvidos ensanguentados, e só saber que ela nunca mais vai vir correndo perto de você e dizer "Oi pai, eu amo você" .... "
 "Eu sempre achei que havia algo de estranho ,mas nunca toquei no assunto, porque ela era sempre tão feliz, e sempre quando perguntava se ela estava bem, era um sim que eu recebia, eu não fazia ideia de que poderia estar ocorrendo algo assim, se eu soubesse eu apenas ficaria por perto e não me afastaria, nunca teria dito adeus, se eu soubesse que seria um adeus de verdade, que nunca mais poderia ver ela sorrindo e me fazendo rir com suas piadas, com seus pensamentos sobre a vida, com seu jeito que me fez amá-la tanto.  Ela dava muito valor às pessoas, tratava cada uma de maneira especial e única, mas esse era o jeito dela, e ninguém era perfeito como ela pra poder fazer o mesmo, ninguém no mundo será sensível o bastante pra me dizer se em um dia chuvoso, é apenas chuva ou um anjo chorando, se uma estrela nova no céu, é apenas mais uma, ou alguém novo se juntando às outras. Só ela era capaz de decifrar um sorriso, um olhar, um gesto, e pra sempre será só ela...
 Essa noite vi uma estrela nova no céu, não sei se eu, cético como sou ,deveria crer nessas coisas, mas , quando olho pra aquela estrela, sinto você me olhando, e sinto toda a sua energia perto de mim de novo. Se anjos existem, eu conheci um anjo."

 28 de Dezembro de 2012.
 Pai e amigo relatam o suicídio de uma menina de 17 anos que sofria de depressão.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Esmalte Miss Sporty

 Oi oi oi oi! Nem comento sobre o calor que tá fazendo esses dias, e minha vontade de postar no blog é imensa, mas a preguiça não deixa, fora que no verão eu fico super lerda, acho que o calor derrete meus neurônios, ou, apenas deixa eles muito lentos . Ontem decidi fazer um post sobre esmaltes, daí , já tinha pegado minhas coisinhas pra pintar a unha em degradê, mas me ligaram pra sair, e eu já estava muito alone, não resisti ao convite... Então , hoje meus planos mudaram, e então tentei fazer cruzinhas nas unhas, mas ficaram um lixo, mas, tudo isso, apenas pra mostrar um esmalte que eu amooooo, ele é um rosa meio transparente, então quando você passa por cima de outra cor, ele puxa pro rosa, mas não fica rosa, por exemplo do branco que fica um rosa fluorescente, e o preto fica roxo, um roxo perfeito, direto eu pinto as unhas de preto e passo ele por cima por causa do efeito *-*.
 Então, na primeira foto , são as cruzinhas que tentei fazer ,então observe a diferença de cor, antes e depois, muda até o style da "nail art" - quem me dera conseguir fazer uma nail art que preste! - na segunda, é um esmalte roxinho claro da avon "quase para sempre", que depois passei o nosso miss sporty por cima e ficou assim. Gente, no esmalte só tem escrito isso Miss Sporty , então , não sei mais detalhes pra passar pra vocês, eu comprei ele tem muito tempo, lá na Inglaterra, início do ano, foi cerca de 12 reais- dinheirinho que valeu apena <3 br="br" nbsp="nbsp">

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Resenha: Batom natura faces "rosa verão"


Mesmo estando num bad day, resolvi fazer um post, sobre um batom que eu comprei hoje e achei muito fofo, aliás todos os outros dessa coleção da natura estão com cores candy lindas, e são a marca do verão 2013 ! É uma cor mais linda do que a outra, e é só 10 reais, algo em torno disso... Ele tem uma textura extremamente cremosa, e tem apenas um leve puxado pro cintilante, mas que acaba apenas dando um brilhinho e não - nem pode!- ficando cintilante, porque não sei vocês, mas não sou chegada em batom cintilante, nem esmaltes... enfim, tem filtro solar fator 8 , e o nome é rosa verão, dá pra ter outra companhia em dias de sol? *-* 
 Pra terminar, o resto dos batons da coleção ultra fofa, prometi a mim mesma que vou comprar o rosa luxo também, mas não gosto muito de cores nude, eu fico muito estranha então não me dei muito com o rosa show.





Livro: Um dia



 Fiquei uma semana ou até um pouco mais lendo esse livro, acho que demorei demais, e o interesse não foi muito grande, ele não provoca aquela curiosidade de ler o próximo capítulo, já que a cada capítulo é um ano depois, no dia 15 de julho, no dia de São Swithin, que segundo a tradição inglesa, se chover nesse dia, choverá também nos próximos 40 dias.
 O livro inteiro é cheio de elogios de autores famosos e conceituados, e esse livro é muito comentado também, resolvi comprar pela fama que ele tem, e eu sempre espero mais, então, não fui muito feliz com esse livro.
 O romance entre Dexter e Emma, é muito profundo, essa coisa toda de amizade e um outro tipo de amor, eles vivem distantes por uns 20 anos, depois da noite que passaram juntos após a formatura.
 Emma, foi um tanto infeliz nos primeiros anos, trabalhando em companhias de teatro, depois em restaurante mexicano, e então como professora. Dexter, viajou o mundo, bebendo, fez uma tatuagem, conheceu garotas, viveu intensamente, se tornou apresentador de Tv, e se divertiu mais ainda.
 Eles sempre trocavam cartões postais, Emma enviava quase livros em cartas, e também livros para Dex ler, o que ele não fazia realmente, mas eles se afastaram muito durante a "fama" de Dexter como apresentador de Tv, ele mudou demais, Emma estava em um relacionamento muito sério com o humorista Ian- que conheceu quando trabalhava no restaurante mexicano- , e não ligava mais pra ele como fazia antes.
 Emma teve um caso com o diretor casado da escola em que trabalhava, mas conseguiu contornar tudo. Dexter perde seu emprego como apresentador de Tv, pois o tempo passa e ele já não é mais novo- dá uma sensação muito ruim ao ler esse livro, porque é como sentir como a vida passa rápido...
 Emma consegue o que sempre quis, ser escritora e faz sucesso com seu livro infantil, e logo faz um contrato para novos livros. - Eu me identifiquei com Emma, acho que pela insegurança dela, pelo humor sem graça, pela preocupação com as pessoas, a vontade de estar perto de quem a gente gosta, de não ter certeza do que sente e nem de quem você é de verdade, apreciei muito o livro por causa da personagem, e de como o David Nicholls passa isso pro leitor, a personalidade de cada um, é simplesmente incrível.
 Eu esperava que como o título dizia, haveria um dia em especial que eles se encontrariam, e que o autor daria ênfase a esse dia, e que eles seriam felizes para sempre... Mas, a coisa é um pouco diferente, Dexter se casa, tem uma filha, Emma fica cansada de ouvir falar sobre crianças... Passa um tempo e Dex se separa da esposa porque ela mantinha um caso com seu ex-amigo Callum, e numa viagem à Paris, pra ver Emma, os dois se entendem, e decidem ficar juntos. - Esse é aquele momento tipo ,finalmente! - na verdade Emma estava namorando um francês e deu a entender que não estava mais disposta, não depois de tanto tempo, e que ela não seria mais uma segunda opção, um prêmio de consolação, mas o amor foi mais fácil e ela cedeu.
 Então eles moravam juntos, e tentavam engravidar, mas Emma não conseguia. Dex tinha um café, e a vida dos dois estava estável... Eles iam ver uma casa, Emma ia de bicicleta após nadar , era 15 de Julho, dia de São Swithin, e estava chovendo quando ela sofreu um acidente... "E então Emma Morley morre." - SINCERAMENTE, não tinha como ter mais emoção? Só , Emma Morley morre, e pronto, foi tão frio , e tão sem graça que nem parecia que a personagem principal do livro tinha morrido, tanto, que eu só fui ter certeza quando no próximo ano/capítulo o autor relata como Dexter se sentia mal por ter perdido Emma.
Na minha opinião, não foi tipo no livro "À primeira vista " uma morte pra ser o ápice da história, mas é muito infeliz um final desses, em que eles esperam a vida inteira pra ficar juntos, e quando ficam, ela morre, deixando cartas , cartões postais, fotos, e lembranças, achei triste o bastante pra ficar chateada com o final, Dexter fica com a gerente do seu café...
 Talvez eu deveria ficar surpresa pelo fim não ter sido previsível, e talvez isso que me irritou, o fato de no fim eles não terem ficado juntos, é como o fim de uma novela, em que você torce pro casal principal ficar juntos e aí eles não se dão bem e não fazem o que você quer.
 Apesar de tudo, é um livro comovente, que faz a gente pensar sobre estar desperdiçando um tempo que não vai poder ter futuramente, e serve como reflexão, já que, eles sempre se amaram, mas, poderiam ter ficado juntos há mais tempo se não fossem tão egoístas um com o outro.
 Ah , na última foto, é a última página do livro, é um trecho de uma carta que Dex havia escrito pra Emma há algum tempo.

domingo, 9 de dezembro de 2012

"E a realidade já se fazia um pesadelo por si só. "



 Era simples para todo o mundo o fato como ela aparecia e fazia todos rirem como se sua vida fosse sempre alegre, em todo os pontos. Ninguém mais se importava de perguntar como ela ia, já que a resposta sempre era junta de um sorriso e um grande-e-mentiroso sim... Mas nada era como parecia, e ela não queria contar isso pra ninguém, não queria contar que ali não era onde queria estar, nem tudo o que pretendia para sua vida, nem que se importava demais com eles, e que jamais entenderiam o mundo, como ela entendia.
 Ela pintava as unhas pra se distrair da vida, lia alguns romances baratos pra escapar do tédio rotineiro que a seguia, ouvia músicas para tentar achar os sentimentos que já há algum tempo haviam a deixado. Ela se sentia uma boneca de plástico e oca, como se sua mente pudesse conduzi-la à qualquer sentimento, verdadeiro ou não, como se ela pudesse controlar, como se aquela não fosse ela, mas não haveria outra pra ser, como se ela não existisse, como se não pudesse sentir que existia.
 Já havia se passado a fase de cortes nos pulsos em busca de vir à realidade, já havia se passado a fase de gritos no meio da noite e lágrimas tristes em momentos felizes. Mas agora ela já não sabia mais quando estava sonhando, e a realidade já se fazia um pesadelo por si só.
 Andando por ruas escuras, pensamentos vazios, ela só queria ter de volta o que lhe roubaram, ou melhor, o que ela roubou de si mesmo, e escondeu em algum lugar que não sabe onde encontrar, não sabia nem como o fez, talvez estivesse sob efeito de alguma droga, ou até hipnotizada, mas já esquecera como teria excluído memórias e bloqueado sentimentos, como se fossem algo digital, como se estivesse apenas brincando de como seria sem eles, e acabasse sem volta, perdendo-os num tempo que não dá pra voltar.
 E se rezar a fizesse ter de volta esses sentimentos ? Ou até se forçar a tê-los, faria alguma diferença?
 A única resposta, são lágrimas vazias, lágrimas sem dor, em olhos paralisados na tela de um computador, escrevendo sem querer, palavras profundas pra qualquer um que possa ler, mas que não fazem sentido para ela, que apenas escreve o que lhe vem na cabeça, e que desejaria que tudo aquilo fizesse parte dela, todo aquele sentimento fosse o que ela vinha sentindo, e não apenas fruto da sua imaginação fértil de como seria amar alguém, ou a si mesma.
 Já era tarde demais, estava escuro lá fora, as luzes da cidade não brilhavam como normalmente, o que fazia com que a lua cintilasse entre as árvores e iluminasse sua pele branca e bochechas meio-rosadas de frio.
 O medo corria nas veias como se tivesse sido aplicado naquela mesma hora em seu sangue . As mãos suavam, e a mente já não funcionava mais como deveria numa leve ânsia de vômito pela ansiedade do momento, e tudo ao seu redor parecia girar. Ela apenas queria ver as estrelas uma última vez, antes de acabar com todo aquele sentimento pela falta do mesmo, ela se sentia fora do mundo, como se não fosse como todo mundo. Por que ela não sentia como todo mundo? Ela não entendia, e já era tarde demais para entender.
 Sem entender o que fazia, olhos semi-abertos, ela ainda estava fora de casa, longe dos pais, da família, sem se despedir, sem nenhuma carta que dizia " eu te amo, me desculpe". E sem sentimentos, com a mão no peito, em busca de um último pedido do seu coração, ela se jogou na frente do primeiro carro que passou em alta velocidade.
 Ela abriu os olhos, e viu seu corpo longe dela, havia pessoas chorando, pessoas que podiam sentir o que ela não podia. Ela correu para perto, em busca de um toque, de alguém que a visse, mas por mais que gritasse ninguém a ouvia, ninguém sentia seu toque, era como se estivesse invisível, como se estivesse...morta.
 E quando ela se deu conta, podia voar, e agora ela sentia, ela sentia um aperto no coração, que ela decifrou como tristeza por todos aqueles que choravam por ela, e ao mesmo tempo felicidade por poder sentir seu coração batendo outra vez, mesmo que não batesse.
 Ela apenas sentiu como se agora, finalmente, poderia viver.


Top 10 de Dezembro


Desde Setembro não faço um top 10 no blog, senti falta disso aqui e resolvi fazer uma busca na internet por novidades, e nem tão novidades assim. Então, nosso número 1 fica com o inglês Olly Murs com a música Troublemaker , feat. nada mais nada menos que Flo Rida.



 Segundo lugar, Bruno Mars, com a música Locked Out of Heaven



3º Lugar: Rihanna - Diamonds



4º Lugar:  Cheer Lloyd feat. Becky. G. - Oath



5º Lugar : Alicia Keys - Girl on fire



6º Lugar: One Direction - Little things



7º Lugar: Gabrielle Aplin - The Power of love , achei o jeito dela bem parecido com a Birdy, o que resulta em um "Amei" .



8º Lugar: Pink- Try



9º Lugar : Ed Sheeran - Give me Love, nem comento que amo o Ed, e a cada música ele se supera.



10º e último lugar: Ke$ha - Die young



sábado, 8 de dezembro de 2012

Bolos fofos.

 Então, quem não ama um bolo? Não tem como não amar, não tem como adoraaar aquelas coisas mais fofas que são os enfeites dos bolos, tava dando um olhada no weheartit e aí me deparo com cada um mais lindo que o outro, uma pena não poder provar- gorda. Acho que deveria estar fazendo posts sobre o natal, o que ainda pretendo fazer, mas hoje me deu uma vontade de bolo, e uma paixão pela estética dos mesmos, que tive que fazer esse post.
 Então, infelizmente não tem receita junto nem o modo de fazer, mas vamos à algumas fotos pra adoçar o dia.


Bullying?!



É incrível como ainda existem pessoas que precisam deixar as outras pra baixo para se sentirem melhores e maiores. A construção do ego delas, utiliza lágrimas, vergonha, medo, trauma, de outras pessoas que apenas queriam viver normalmente como qualquer um, mas não podem. Não podem por não poder sorrir sem vergonha de ser vista, por não poder cantar sua música favorita por medo de ser vaiada, não podem por não poderem dar um passo à frente sem que seja empurrada para trás.
  O bullying é uma coisa simplesmente ridícula, que existe, sempre existiu, e que está tomando um rumo para ser amenizado, antes não tinha esse nome, mas sempre houve essa violência, nas escolas, ruas, casas, enfim, todos os lugares. Tantos lugares, que artistas que amamos, como Demi Lovato, Jessie. J , são exemplos de que o bullying não derrota ninguém, e pode fazer com que você se sobressaia, ainda mais do que aqueles que te julgavam "estranha" .
 Algumas músicas e frases servem muito bem pra sair dessa de se esconder, e ficar triste por causa do bullying, porque, você é maior do que essas pessoas, e eles querem te impedir de sorrir, porque o brilho do seu sorriso, ofusca o caminho deles.

"Você pode tomar tudo o que tenho
Você pode quebrar tudo o que sou
Como se eu fosse feita de vidro,
Como se eu fosse feita de papel

Vá em frente, tente me puxar para baixo,
Eu vou estar me levantando do chão
Como um arranha-céu"

Demi Lovato - Skyscraper 


"Então façam suas piadas
Tentem me derrubar
Soprem sua fumaça
Você não está sozinho
Mas quem está rindo agora?
Aumente sua força
Bata em mim com força
Jogue suas cartas
Seja uma estrela
Mas quem está rindo agora?"

Jessie J. Who's Laughing now? 


Não deixe que o que eles dizem a mantenha acordada à noite
Eles não podem te deter
Porque asas são feitas para voar
E nós não deixamos ninguém nos derrubar
Não importa o que você diga isso não vai me machucar
Não importa se eu cair do céu
Estas asas são feitas para voar"




"Linda, por favor , nunca se sinta Como se fosse menos do que Completamente perfeita" 
Fucking Perfect - Pink. 

" As piores coisas na vida vêem de graça pra nós" 
The A Team- Ed Sheeran 

"Lágrimas não significam que você está perdendo"
Who you are- Jessie. J 

"Um dia serei grande o bastante para você não poder me atingir, e você será simplesmente mau"
 Mean - Taylor Swift. 



segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Comprinhas na River Island.


 OI gente, passei o fim de semana sem postar a fim de me divertir um pouco e desligar o modo automático de vida porque dias melhores estão por vir: férias!
 Ontem , finalmente chegou pra mim uma caixa que havia esperando desde outubro, demorou quase 3 meses pra chegar, e eu já estava entrando em desespero- nem tanto porque a compra nem foi cara , ao todo ficaram uns 140 reais, algo assim. Mas eu não pedi a loja pra me mandar, mas pedi que enviasse para o endereço da minha irmã na Inglaterra e para que ela mandasse pra mim. Nisso, ocorreu muito problema porque quando foram entregar a caixa na casa dela, não tinha ninguém, então eles deixaram do lado de fora, perto de umas bicicletas, HELLO?! qualquer um poderia ter ido lá, pegado a caixa e saído de fininho, mas, por muita sorte, alguns dias depois minha irmã achou a caixa. Então ela enviou e alguns,demorados, meses depois estou aqui com minha caixinha haha. A expectativa era tanta que quando chegou eu nem me impressionei muito com as coisas.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Looks inspiradores - Macaquinho .

  Semana passada, uma leitora me indicou pra fazer um post sobre macaquinhos, então não quis fazer do tipo "Como usar" mas sim de alguns looks que achei no WeHeartIt e que podem te inspirar, e te fazer gostar ou querer usar ainda mais essa peça que é super cara do verão!
 Primeiro dois looks completos. Na quarta foto tem um macaquinho que eu super achei minha cara, e necessito de um igual, e por último o lado sexy do macaquinho.
 

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Livro: À primeira vista- Nicholas Sparks



 Oi gente! Então vim aqui pra fazer mais um breve resumo sobre um livro, não me sinto bem em fazer um post parecido perto do outro, mas acabei de ler esse livro e me deu vontade de postar sobre.
 O livro conta a história de Jeremy, que até então mora em Nova York, mas tudo muda quando - a trabalho, ele vai para Boone Creek em busca de um mistério sobre luzes misteriosas no cemitério para sua coluna na revista, e então acaba encontrando Lexie, que via as luzes e afirmava ser seus pais , e eles se apaixonam, o que acaba gerando uma gravidez. Diante da situação, Jeremy se decide casar com Lexie, e vai morar junto com ela em Boone Creek - com muitas revira-voltas, e-mails misteriosos e ciúmes, Jeremy não conseguia escrever mais artigos pra revista e começava a ficar preocupado com isso, tudo por causa da mudança drástica em sua vida, na gravidez, casamento, mudança e tudo o mais.
 No início, Jeremy ficava entediado com a cidade, mas durante a gravidez de Lexie, e dos problemas enfrentados como que havia uma Brida Amniótica junto da criança - mas que não havia aderido a criança, então ela estava bem- e ele e Lexie ficando cada vez mais juntos, ele começou a gostar da cidade, e a conseguir escrever novamente.
 Até o parto, havia estado tudo bem, e a Brida Amniótica não aderiu ao bebê (a Claire , mesmo nome do nome da falecida mãe de Lexie) mas em compensação, Lexie morre, e de início Jeremy não se acha capaz de amar a filha, que teve a vida em troca da morte da sua mãe, mas com a ajuda de Doris, ele vê a criança, e então ocorre o amor à primeira vista - confesso que quando li o título achava que seria amor entre dois adultos, algo assim, mas era amor entre pai e filha, lindo não?!
 Então Jeremy cuida da filha, que passa a ter pesadelos, e ele a leva para o mesmo cemitério em que Lexie estava enterrada, à meia-noite, a fim de ver algumas luzes fantasmagóricas e acabar com os pesadelos da filha, e foi o que houve, havia mais luzes, e dessa vez parecia que o "espírito" de Lexie estava presente além de seus pais.
 E assim acaba o livro, achei uma mistura de mistério, na parte dos e-mails anônimos, muto romance o tempo inteiro, e muito triste no fim, enfim , pode-se dizer que não é um dos melhores que já li, mas é muito encantador e bem-narrado ( ah, ta brincando, quem é o autor mesmo? kk).
 Eu comprei o livro na Livraria Leitura, e acho que custou 21 reais, preço de lançamento,algo em torno disso, achei super bacana a iniciativa da livraria não fornecer mais sacolas plásticas- não é em todo o lugar que pararam com isso- e em vez, uma sacola de papel, com fotos de autores, e frases sobre leitura atrás.



Resenha: L'oréal Paris Elvive Full Restore < 5



Prontos pra mais uma resenha by Jessica? Se sim, então tudo bem, porque aqui estou eu - ando sumida, mas estou aqui pra mostrar que não é nada grave. Essa resenha é sobre um produto pra cabelos das L'oréal, que é o Elvive Full Restore 
 Opinião da Jéssica:

 Ótimo hidratante condicionador, custa apenas 5 libras - cerca de 15 reais e vale muito a pena.

Ele regenera a estrutura dos fios e você sente a diferença já no enxágue. Excelente pra quem

 nao tem tempo de hidratar os cabelos porque só precisa de 1 minuto para agir. Eu deixo uns

 5 minutos e está ótimo, o cabelo fica brilhoso e sedoso.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

"O afrouxar das rédeas do destino"




“É estranho quando finalmente nos damos conta do quanto as pessoas são especiais, do quanto nos fazem felizes, e de como dão um real sentido às nossas vidas. Do quanto somos bobos em não deixar que façam parte de nossa vida, e quando não nos permitimos dar o primeiro passo, quando apenas por vaidade e luxo e ficamos na nossa, apenas esperando que venham até nós, nos sentindo um lixo. E em contraste, somos verdadeiramente líderes ao passar na frente de tudo isso e nos darmos conta do que realmente precisamos e queremos e finalmente correr atrás do que realmente faz sentido... “
É a cada pôr-do-sol, a cada levantar preguiçoso da Lua, do brilho das estrelas- alguns foscos, outros explodindo em várias cores de felicidade, que nos damos conta do real motivo de estarmos naquela cidadezinha pacata. É por causa de cada um que mora ali, de cada um que te diz um simples oi com um sorriso anexado ao pacote, perguntando como foi sua noite, se dormiu bem ou se apenas teve outro pesadelo de como poderia ser vida sem conhecê-lo, aí você sempre se dava conta de que o ego daquele pequeno rapaz estava mais alto do que deveria naquela manhã, talvez porquê alguém lhe dera um beijo na noite passada ou simplesmente dissera que lhe amava, não importava fazer suspense, a dois passos dali qualquer um viria e lhe contaria o que havia acontecido.
Sempre há aquelas reuniões naquelas estão todos ali, todos que importam, dançando, conversando, comendo, se olhando, uns com desejo de se aproximarem mais, se conhecerem e até se permitirem beijos intermináveis, outros apenas curiosos para saber como é a voz daquela menina que nunca nem ousaram falar um oi, por medo de sua personalidade, apenas por medo do desconhecido.
E assim os dias passam, todos se conhecem e ao mesmo tempo não, se encontram entre esquinas e se olham sem perceberem, às vezes nem dizem “oi” por falar, nem se abraçam mais ao se verem, de tanto que se esbarram vira costume falar oi, e até passam despercebidos apenas com um olhar, do tipo “ olha você aí de novo”.
São amigos, um grupo, ou dois... às vezes juntos, às vezes simplesmente separados, um desejando o outro e sendo impedido de dar um toque por causa da sagrada amizade- valeria mesmo a pena deixar tudo aquilo que construíram por pura curiosidade? Acho que sim... Mas era difícil saber, e nada aconteceria já que ninguém tomara iniciativas. E assim permaneceu- e permanecerá até segunda ordem.
Depois de cada reunião, era peculiar, e não pude deixar de notar uma menina a qual chorava numa noite nublada, sem estrelas foscas ou a explodir, não havia nem lua para servir de refúgio, apenas as lágrimas que afogavam de maneira completamente rápida, ela respirava ofegante pela boca, a fim de não se perder nos pensamentos que a levavam para o fundo de sua mente, até sua voz mudara de ávida para a de quem vive num mundo estranhamente longe e inalcançável.
Ela estava presa numa insegurança que a perseguia, e não sabia como sair, ela só queria ter deixado a curiosidade falar mais alto e atacado-o como um canibal que ataca um animal, faminto por sua carne, desejando sua pele para lhe proporcionar calor àquela noite fria e cinzenta que os cobriam. Mas já era muito tarde para qualquer arrependimento, já estava deitada, no quarto que já havia sido trancado, todos naquele hotel já haviam dormido e tudo o que ela queria era apenas uma chance a mais para dizer tudo o que havia se formado num nó na sua garganta, mas em vez disso só conseguiu atar ainda mais seu nó, com lágrimas intermináveis... Quando me dei conta, era de manhã, a menina permanecia dormindo, com os olhos inchados pelo choro da noite anterior, percebi uma mancha molhada em seu travesseiro, e que ela dormira com a boca aberta, dando vista ao aparelho azul que cobria o seu sorriso- o que não vinha a ser mostrado já fazia algum tempo.
Eu senti pena, mas apenas pude acordá-la e dizer “ Hora de ir”, e com os olhos desesperançosos ela me olhou como se eu pudesse fazer algo para salvá-la daquele horrível sentimento que a prendia às lágrimas e a um preto inacabável dentro de si. Mas o que eu poderia fazer? Nada! - Sugeri. Apenas dei dois tapinhas no seu ombro, a fim de confortá-la, e em seguida um sorriso com apenas um canto da boca, não estava nada feliz com a situação, como poderia dá-la um sorriso completo? Arrumei minhas coisas e a esperei, para tomar café, mas ela não apareceu na hora que deveria.
Após 30 minutos de espera, resolvi procurá-la, nas minha imaginação fantasiosa a imaginava ainda deitada, de pijama, chorando, e encharcando ainda mais o travesseiro. Abri a porta e ali não estava ela. Desci as escadas, e nada. Subi alguns degraus, procurei na sacada, em alguns quartos e até banheiros, mas nada via, além de outras pessoas que se comportavam como zumbis na manhã de domingo.
Encostada na parede, me lembrei de uma outra escadaria, que ainda não havia me dado ao luxo de subi-la e procurar pela moça em prantos. Foi virar a pequena quina da porta que me deparei com a moça aos beijos e abraços, se perdendo intensamente nos braços de um rapaz moreno e um tanto alto, cabelos castanhos escuros e parecia piedoso ao hesitar tocá-la, do ato, senti como se ela o tivesse procurado e finalmente arrancado o beijo que tantas vezes lhe fora apenas um sonho, uma imaginação adolescente de algo que nunca iria acontecer, até aquele momento.

Livro: Sushi - Marian Keyes



 Meu livro é versão pocket e custou acho que 15 reais no site da Submarino. No meu ponto de vista, a autora foi muito feliz ao escrever esse livro, porque ele é simplesmente encantador, ele não te deixa perder o foco nem o interesse em nenhum ponto. Um pouco divertido, trágico e romântico o conto trás três personagens como principais: Lisa, Ashling e Clodagh. Conta muito sobre os costumes Irlandeses, de como eles amam beber, e como se fumar fosse a coisa mais legal no mundo, só que não! Vou fazer um breve resumo: 
Lisa, era muito feliz com seu trabalho na diretoria da revista Femme em Londres, trabalhava duro e sempre teve como objetivo se superar, sendo fria com quem quisesse, e só se importando com o profissional da coisa. Esperando ser promovida para dirigir uma revista em Nova Iorque, foi surpreendida quando lhe contaram que deveria ir para Dublin, na Irlanda – a autora é Irlandesa e numa página ou outra aproveita para contar costumes do país- que no início ela se sente desesperada , e praticamente quase morre por ter que morar naquela cidadezinha-sem-nada, apenas achando conforto em cigarros e bebidas- coisa que praticamente se aborda em todo o livro, a autora faz muita menção ao cigarro como se fosse um refúgio, e como se fizesse bem, eu tenho muita aversão ao cigarro, e com a leitura, pude ver por um lado diferente quem fuma, não como um psicopata que é viciado apenas por diversão, mas alguém que sofre por alguns problemas e ali encontra um modo de se afastar, mas de maneira alguma é um motivo certo para entrar nesse vício, nesse caso, é melhor se viciar em outras coisas e não em drogas.
Lisa se separou de seu marido Oliver- com quem casou em Las Vegas- e começa a ter uma queda por seu chefe em Dublin, Jack Devine- mas não vou contar o resto porque fica sem graça pra quem vai ler o livro hahaha.
Entre tantas reviravoltas em sua vida, Lisa, após o lançamento da nova revista Coleen, começou a “gostar” de Dublin, dos seus vizinhos-crianças, de Kathy e Francine, até sentia saudades de sua mãe, e notou que precisava trabalhar menos e dar mais importância à certas coisas na vida.
Ashling se torna assistente de Lisa, trabalhando na Coleen também, apelidada por “Senhora-quebra-valho” por Jack Devine, ela sempre tinha em sua bolsa tudo o que era preciso na vida, band-aids, elixir de não sei o que lá, bloquinhos, caneta, etc. Ashling sofreu muito na ifância quando sua mãe estava depressiva, então ela tinha que cuidar de seus irmãos e passava a maior parte do tempo com Clodagh durante a adolescência, a qual foi sua amiga durante muitos anos. Ashling morava num pequeno apartamento, no qual haviam dois amigos que também moravam no mesmo prédio: Joy e Ted. Joy, uma amiga fissurada num metade-homem-metade-texugo e Ted, que se tornou humorista apenas para conseguir uma namorada, o que deu certo, e nessa, Ashling também arranjou um, na verdade hesitou de primeiro termo, por causa de suas sardas e outras coisas mais, mas depois ao vê-lo no palco, Marcus Valentine parecia o homem perfeito, e era, até ela descobrir que ele a havia traído com sua melhor amiga Clodagh.
Clodagh tem dois filhos com Dylan, um homem lindo, que quando o conhecera ele estava saindo com Ashling e ela (roubou) ficou com ele pra ela. Lindo, com um bom emprego, bom salário, dava de tudoo que ela pedia, eu simplesmente fiquei revoltada com essa personagem porque a pessoa tinha absolutamente tudo, mas era incondicionalmente infeliz consigo mesma. Vivia brigando com seus filhos e não conseguia educá-los corretamente, e para afastar o tédio vivia a reformar a casa- colocava papéis de parede novos a cada semana, foi quando começou a sair com Ashling e seus amigos, tomara todas numa noite, e em outras já estava dormindo com Marcus, deixando todos boquiabertos, estragando seu casamento, e a vida de Ashling que entrara em depressão, mas ninguém mais lindo do que Jack Devine para ajudá-la nessa... hahaha.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Já conhece Marcus Collins?!


Tava hesitando em fazer esse post, mas pelo que vi pouca gente conhece o cantor, Marcus Collins nascido em 15 de Maio de 1988 é um cantor Inglês que ficou ganhou em vice lugar no ano passado- perdeu pra girl-band Little Mix ( um pouco da banda aqui ) -  no The X Factor, e foi orientado por Take That vocalista Gary Barlow, que continuou a trabalhar com Collins desde então. Seu álbum de estréia, auto-intitulado Marcus Collins que contou com a produção da equipe londrina Metrophonic de Whitney Houston e fama Cher, tornou-se seu primeiro álbum top 10 do Reino Unido, que tem a sua "Mercy" único. Seu single de estreia do álbum foi "Seven Nation Army", um cover de The White Stripes sucesso ", que também se tornou seu primeiro top 10 UK único.
 Assumiu sua sexualidade como sendo gay: "UK is okay that I am gay" segundo o site
 Segue o clipe que eu adoro Seven Nation Army , e logo em seguida Mercy. 


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

007: Operação Skyfall


 Ei lindos e lindas ! Dei uma sumida, precisava respirar novos ares e sair um pouco dessa cidade que não tem quase nada! Isso, viajei e fui me obriguei a ir ao cinema, de primeira, fui com a intenção de assistir Amanhecer Parte 2, mas quando cheguei na bilheteria tive a incrível notícia de que não tinha mais ingressos pra aquele dia - eu fui pra uma cidade, que também não tem cinema assim como onde eu moro, então tive que ir pra outra onde finalmente tinha cinema, pra poder assistir amanhecer, mas não tinha ingressos, mas ok- então resolvi assistir Skyfall, não foi tempo nem dinheiro perdido porque o filme foi um tanto bom, no início um tanto quanto chato, fora a parte que passa a música inteira da Adele- Skyfall, adoro Adele, e amo essa música, mas todo mundo ficou muito entediado com a demora da música haha, além do que a metade da população naquela sala de cinema estava ali, pelo mesmo motivo que eu, ter fracassado ao comprar um ingresso pra amanhecer, tanto que na hora que passou o trailer de amanhecer, só se ouvia "aaaaaaaah"- maldade.
 Eu comecei o filme meio que "Como assim?!" quando a Eve dá um tiro no Bond e ele afunda no mar - aí então começa a música da Adele- aí depois ele aparece vivo em algum lugar no mundo, e muito bem por sinal, e vivo (Ah não me diga ¬¬). Enfim, achei o filme muito bacana,mas não teria visto esse se não fossem as circunstâncias que me levaram a vê-lo, mas enfim, aprovei, veria de novo e super indico pra ver.
 Skyfall, alguma coisa relacionada à "o céu cai", pelo que entendi do filme é a cidade onde o Bond cresceu, e é onde há a guerrinha final do filme.
 Pra completar o post, o trailer do filme e a música da Adele, e se quiser saber mais ainda sobre o filme ( dados específicos e um resumo mais completo) acesse aqui . 




quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Pensamento do dia : Em falta de abraços, encharco meu travesseiro.



" Numa noite de chuvas, ventos e frio, você sente falta de um abraço, mas só encontra o travesseiro para se encostar, talvez ir mais além e tentar tirar dele o que tanto quer, um abraço, talvez se sinta mais íntimo e o faça de ombro amigo, encharcando-o com lágrimas pesadas e cheias de sentimentos.
 Talvez o sentimento certo seja raiva, talvez causado por ser ignorada, talvez causado pelo buraco presente no peito, aquele que vem tentando tapar desde a última vez que sentiu isso. Não é fácil fingir estar bem toda hora, mas também não é fácil explicar pra todo mundo o que você tá sentindo, é como se fosse difícil demais pra eles entenderem... "
 Uma ligação, eu estava animada- animada não é a palavra certa, talvez estivesse um pouco feliz apenas porque o veria novamente, porque teria de novo a certeza de que ele tinha mudado, e que tudo seria diferente no próximo ano, diferente do ano anterior, diferente das minhas cicatrizes...- finalmente atenderam e do outro lado, chamaram por ele, 5 palavras mais um tchau, acho que ouvi "te amo" mas me esqueci de prestar atenção, quando o disse, já estava a desligar o telefone, já haviam lágrimas e soluços. Eu tento acreditar nesse "eu te amo", mas como uma pessoa pode amar e nunca ligar, pode amar e só conversar por 5 palavras, como pode amar e não se importar se você está bem ou se está totalmente traumatizada?
 Ele é sempre frio como a neve, e sempre alegre como o Sol. Agitado como o mar em dias de chuva, e calmo como o vento em dias ensolarados... E isso só me deixa a pensar se ele realmente me ama quando diz, ou apenas finge por ser regra dizer, se às vezes ele é sincero ou se sempre está no personagem.
 E eu? Eu apenas permaneço na imensidão de tentar esquecer cada momento que não me traga boas lembranças, de esquecer cada lágrima caída e desperdiçada. Às vezes sou fria como ele, às vezes nem sei, e também indecisa, no frio e quente ao mesmo tempo. Mas eu só permaneço em mim, com respiração profunda, às vezes febre, e submersa a um poço de memórias, às vezes respiro à superfície, as vezes apenas fico às margens observando e também sendo observada, mas é que é incomodo demais pra todos, me ver e ter que perguntar "como vai?", então é mais fácil fingir cegueira, e me deixar ali, sendo cobaia do meu próprio coração e presa nos meus próprios medos de dizer tudo aquilo que eu queria à quem precisava ouvir.Mas em vez disso, apenas deito, e em falta de abraços, encharco meu travesseiro com lágrimas...

Como usar: Bralet


Oi gente! Feriado finalmente chegou, e devo ficar sem postar nesse fim de semana (viajo amanhã), tava de boa seguindo as dicas de ontem ( 4 passatempos na internet ) quando vi a peça Bralet no we heart it, já tinha dito nesse post de como usar shorts knickers, que iria fazer um post sobre como usar Bralet - confesso que nunca usei, mas acho mega lindo! - e então aqui estou eu cumprindo com o que disse hahaha.
 A intenção da peça é sim deixar a barriga a mostra, mas pra quem curte o bralet, mas detesta deixar a barriga à mostra, dá pra investir em looks como saias e shorts com o cós alto, que cobrem bem esse papel de não mostrar o umbigo ( deixar apenas um pouquinho da barriga a mostra também não mata ninguém né?!)

 Como usar Bralet com shorts jeans :




 Com saia: 


Com calça jeans :



Famosas usando : 




quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Resenha: Garnier Simple Essentials Make-up remover


 Mais uma resenha com comentários e fotos por Jéssica. Hoje vamos falar desse removedor de maquiagem da Garnier é líquido- Depois comparo com um outro da Avon por exemplo ( o pros olhos) que é em creme-  sem perfume e sem álcool, esse removedor promete não precisar ter que ficar esfregando o rosto pro produto fazer efeito, ele age sem precisar desse esforço, isso quer dizer que você só precisa passar levemente o produto pelo rosto em algum algodão, paninho, ou o com o que você prefere usar. 


 Comentário da Jéssica:
 "Antes e depois de passar o produto. Ele tem uma textura oleosa, a sensação é de estar 

passando uma manteiga no rosto, por não conter álcool pode ser usado no rosto todo, 

incluindo olhos. O produto cumpre sua função e remove toda a maquiagem, mas é bom lavar 

o rosto depois, pois deixa o rosto bem oleoso. Custou 3 libras, cerca de 9 reais ! "